Notícias da TV, Novelas, Segunda Tela e muito mais!

Baseada em fatos reais, “A Maldição da Casa Winchester” é decepcionante

Depois do desastre de “Jogos Mortais: Jigsaw” (2017), os irmãos Michael e Peter Spierig estão de volta com um novo terror, “A Maldição da Casa Winchester“, cuja estreia foi no dia 1° de março, para a minha frustração. Com uma premissa antiga, tradicional e previsível, o longa é baseado na história da família responsável por algumas da mais icônicas e mortais armas.

A história segue a herdeira de uma empresa de armas de fogo, Sarah Winchester (Helen Mirren), que está convicta de que é assombrada pelas almas mortas através do rifle da família. Após as repentinas mortes do marido e do filho, ela decide construir uma mansão para afastar os espíritos. Nesse tempo, a diretoria da empresa Winchester, acredita que ela está em choque pela perda, e suborna o doutor Eric Price (Jason Clarke) para investigá-la e aplicar um falso diagnóstico para tirá-la do comando. O médico então é convidado a passar alguns dias na mansão em constante expansão e aparentemente assombrada, e percebe que talvez sua obsessão não seja tão insana quanto parece.

Sarah Winchester (Helen Mirren) – Foto: Divulgação

Diferente das excelentes franquias “Sobrenatural” (2010-2018), “Invocação do Mal” (2013-2016) e “Anabelle” (2014-2017). Esse decepciona do início ao fim. Te dando raros momentos de esperanças, que são derrubados logo em seguida. É aquele famoso ditado que diz, que o trailer engana, infelizmente. Os diretores tinham em mãos uma história promissora, mas optaram pelo caminho mais porco: um roteiro que apela pro clichê de forma absurda (pior que texto de novela das 21h da Globo), é jogado. Não tem um foco, um objetivo para ser aprofundado. E com isso, se torna um filme arrastado, com diálogos caricatos e enormes, que parecem nunca ter fim.

Veja o trailer do filme:

Mesmo com um elenco talentoso, os personagens fracassam. São caricatos, rasos e não te passam empatia. Neste tipo de filme, é necessário que o público se apegue a algum, para ainda se ter um motivo de continuar ali. Em vários momentos eu senti vontade de levantar da poltrona e ir embora de tão insuportável que o roteiro me incomodou. Outro tiro no escuro, é os jump scare (cenas de sustos) do longa. Lá no início, tem uma até interessante com um espelho, foi bem construída. De resto, até os filmes do Chuck fazem melhor.

Por outro lado, a iluminação, cenografia e fotografia, são de se elogiar. Os pontos altos do filme, que fielmente te ambientaliza na história, te colocando em um ar tenso e macabro. Já nos minutos finais, se tem algumas situações jogadas dando a entender que pode rolar uma continuação.

Diferente de outras análises, esse filme não classifico como uma dica para você assistir, não quero ser o responsável por um experiência sua mal sucedida. Porém, se gosta de conferir com seus próprios olhos a bizarrice, vai na sorte. Mas uma dica: vai no dia mais barato, esse não merece ser investido.

Quer receber nossas atualizações em seu dispositivo? Inscreva-se agora.

Relacionados
Comentários
Comentários Carregando

Send this to a friend